quarta-feira, 13 de maio de 2015

Portaria 93/98 e a Proibição do Hamster Roborovski e Hamster Chinês

      No Brasil, é proibida a comercialização do hamster roborovski e o hamster chinês.
      Apesar de muitas pessoas confundirem o hamster anão russo com o hamster chinês, é preciso deixar claro, o hamster anão russo não é hamster chinês.

      A proibição ocorre por uma lei sancionada pelo IBAMA em 1998, é a PORTARIA IBAMA Nº 93, DE 7 DE JULHO DE 1998, conhecida como Portaria 93/98.

Vídeo:
      
      A Portaria 93/98 é uma lei que regulamenta e define os critérios para a exportação e importação de animais silvestres da fauna brasileira ou exótica, no entanto, é uma lei que proíbe a importação de alguns animais para fins comerciais ou para manutenção em cativeiro como animal de estimação.
      No artigo 31 da lei, está estrito claramente:

     Art. 31 - Fica proibida a importação de espécimes vivos para fins de criação com fins comerciais, manutenção em cativeiro como animal de estimação ou ornamentação e para exibição em espetáculos itinerantes e fixos, salvo em jardins zoológicos, os seguintes taxa:
I. invertebrados,
II. anfíbios (exceto Rana catesbiana - rã-touro),
III. répteis,
IV. ave da espécie Sicalis flaveola e sua subespécies,
V. mamíferos das Ordens: Artiodactyla (exceto os considerados domésticos para fins de operacionalização do IBAMA), Carnívora, Cetácea, Insectívora, Lagomorpha, Marsupialia, Pennipedia, Perissodactyla, Proboscidea, Rodentia, e Sirênia.
   
      A portaria 93 não se aplica aos animais domésticos que estejam listados no Anexo 1 da portaria, mas os hamsters chinês e roborovski, e também o campbell, não estão listados no anéxo 1, ou seja, não são considerados animais domésticos pelo IBAMA.
      Então, como esses animais são da ordem "Rodentia", e não são animais domésticos segundo o IBAMA, está terminantemente proibida a importação para fins comerciais, ou seja, não podem ser importados para serem vendidos como animais de estimação.

      Com relação ao hamster, existe uma especificação apenas para o Cricetus cricetus (hamster europeu), que está especificado no Anexo 1 como animal doméstico mas a importação está proibida.
      
      Quanto ao hamster sírio (Mesocricetus auratus) e o hamster anão russo (Phodopus Sungorus), são espécies que já estavam no Brasil antes da aprovação da Portaria 93, sendo assim, os exemplares desta espécie que já estavam no Brasil, não estão sujeitas as regras de importação e sendo assim não podem ser considerados ilegais pela portaria 93/98, porém também não é permitida a importação de novos exemplares destas espécies pois estes animais também não estão listados como animais domésticos no Anexo 1 da portaria 93/98.

      Resumindo, o IBAMA proibiu a importação de roedores para fins comerciais, salvo os animais domésticos, mas como o IBAMA não considera os hamsters chinês e e nem o roborovski como sendo animais domésticos, está proibida a importação.

Atualizado em 14/07/2016.



domingo, 10 de maio de 2015

A Alimentação dos Hamsters

      A alimentação do hamster é de grande importância para que o animal tenha uma vida saudável, por tanto, o dono do animal deve ter alguns conhecimentos básicos sobre a alimentação de seu animal de estimação. O hamster é um animal onívoro, ou seja, ele pode metabolizar alimentos de origem vegetal e também de origem animal, tudo o que for dado ao hamster ele pode tentar ingerir se o cheiro lhe agradar, por isso, é preciso tomar muito cuidado com o que damos ao hamster.

Alimentos que o Hamster Pode Comer:

Sementes: semente de girassol, amendoim, soja, alpiste, trigo, arroz, aveia, ervilha, noz, castanha, milho, milhete
Frutas: maçã, pêra, caqui, melão, melancia, uva (sem semente), morango, frutas secas
Verduras: repolho, couve, couve-flor, brócolis,vagem, acelga
Legumes: pepino, cenoura, abóbora, chuchu
Outros: ovo cozido, queijo, tenébrio

Dizem que milho não pode.
      Algumas pessoas dizem que o milho transgênico causa câncer, essa história tem origem em um estudo realizado pelo biólogo francês Gilles-Eric Séralini, porém esse estudo foi rejeitado pelas autoridades europeias e pela comunidade científica no mundo inteiro, escrevi um post sobre isso (Clique aqui para ler).

Sementes de girassol, amendoim e soja, alguns cuidados.
      Algumas sementes contém grandes quantidades de gordura, isso causa obesidade, diarreia ou outros problemas digestivos, é recomendado que sementes gordurosas não seja dado em grandes quantidades, a base de alimentação do hamster deve ser a ração e sementes não muito gordurosas como o trigo, arroz, alpiste, milho, um pouco de proteína como ovo cozido, queijo ou tenébrio, e algumas verduras. Sementes muito gordurosas como amendoim, soja e sementes de girassol podem ser dadas em quantidades moderadas, como não é veneno, não é preciso eliminar da dieta.

Alimentos que o Hamster Não Pode Comer:

Sementes: grãos de café, sementes de maçã, feijão, amêndoas
Frutas: abacate, tomate, físalis, carambola, cacau, maçã imatura, frutas cítricas em geral (laranja, limão)
Verduras: alface, espinafre, cebola, cebolinha, salsinha, salsão,  plantas do gênero oxalis (conhecido como trevo ou azedinho)
Legumes: batata, cebola, berinjela, inhame, rabanete, mandioca
Outros: chá, café, chocolate, ração para coelho, frituras em geral, carne crua, ovo crú, sagu, tapioca, refrigerantes, bebidas alcoólicas, alho


Alface e espinafre por que não pode?
      Tanto o alface como o espinafre contém grandes quantidades de "ácido oxálico" que é um ácido perigoso tanto para os hamsters quanto para os humanos, porém, como os hamsters são pequenos, eles são muito mais sensíveis ao ácido oxálico. Quando ingerido em grandes quantidades, o ácido oxálico causa insuficiência renal e é um grande contribuinte para a aglutinação de cálcio nos rins o que causa pedra nos rins. Outros alimentos com grandes quantidades de ácido oxálico são: inhame, carambola, salsinha, salsão, rabanete, tomate, sagu, tapioca, mandioca

Feijão, por que não pode?
      O Feijão nosso de cada dia "quando crú", na verdade é altamente tóxico, o feijão da espécie Phaseolus vulgaris, aquele que consumimos no Brasil, deve ser cozido por no mínimo 10 minutos antes do consumo. O feijão crú contem uma variação perigosa de lectina, essa lectina se quebra com o calor e por isso deve ser cozido antes do consumo, "não há perigo depois de cozido", esta variação de lectina suspeita-se que seja uma espécie de Phytohaemagglutinin (PHA), que eu não faço ideia do que seja mas é perigoso, a ingestão desse PHA causa vômito, diarreia, hemorragia e consequentes inflamações, ou seja, para os hamsters, dependendo da quantidade pode levar o animal a morte, "o feijão crú" é perigoso tanto para os humanos quanto para os hamsters.

Abacate, por que não pode?
      O abacate contém uma toxina chamada "Persina", ainda não se sabe muito sobre essa toxina mas sabe-se que não é perigosa para os humanos, muito pelo contrário, existe a possibilidade de servir como remédio para o tratamento de câncer de mama. No entanto, é fato conhecido de que, para muitos animais domésticos, a persina é altamente tóxica e muito perigosa. Os animais que mais são afetados pela persina são as aves, os cavalos, os bovinos e os roedores em geral. Os sintomas são vômito, diarreia, dificuldade respiratória, coagulação sanguínea, e pode levar o animal a morte.

Frutas Cítricas, por que não pode?
      O motivo pelo qual "dizem" que não pode dar frutas cítricas para o hamster, é a acidez das frutas cítricas, o argumento é de que pode fazer mal para o animal, porém o ácido cítrico não é tóxico para o hamster e não existem estudos que provam o contrário. Um outro argumento é a quantidade de glicose nas frutas cítricas, o que poderia provocar diabetes nos hamsters, os outros argumentos são aqueles estéricos que dizem que não pode por que está escrito na Wikipédia... Nos países desenvolvidos, muitos livros sobre hamsters parecem não citar essa tal "teoria do citrus não pode", no máximo está escrito que é bom evitar limão, não encontrei nenhum relato relacionando a morte do hamster ao consumo de laranja, ,muito pelo contrário, parece que em alguns países, é normal dar laranja para hamster apesar de ter muita gente falando que não pode, não consegui verificar de onde saiu essa teoria.

Batata, por que não pode?
      A batata contém um glicoalcalóide chamado "solanina", é uma substancia muito tóxica e quando ingerida pelo hamster provoca anomalias teratogênicas, vômito e diarreia. Outros frutos que contém solanina são: tomate, berinjela, fisalis 

Tomate, por que não pode?
      O Tomate, além de conter "solanina", também tem "ácido oxálico", a solanina em altas quantidades provoca anomalias teratogênicasvômito e diarreia, o ácido oxálico provoca insuficiência renal e contribui para a formação de pedras nos rins do hamster.

      
Cebola, cebolinha, alho e plantas do gênero, por que não pode?
      Cebola, cebolinha, alho e plantas do gênero contém "disulfureto de alilo", é uma substancia venenosa que provoca hemólise em animais.
      
Café e chá, por que não pode?
      A "cafeína" é uma droga e causa dependência, em grandes quantidades, causa intoxicação grave, os sintomas são dores estomacais, vômito, contração das veias, hipertensão, e em caso de overdose pode levar ao coma e a morte, assim como muitas drogas, o processo de abstinência é acompanhado de dor de cabeça, insônia, cansaço, dores no corpo, irritabilidade, etc. Acho que normalmente não ouvimos falar muito sobre morte por overdose de cafeína, mas é fato que exitem alguns casos de morte por overdose de cafeína. No caso dos hamsters, a intoxicação acontece com muito mais facilidade. Outras bebidas e alimentos que contém cafeína são: refrigerantes, chocolate, cacau e derivados do cacau, a maioria dos tipos de chás.

Chocolate, por que não pode?
      O chocolate além de conter "cafeína", tem um alcaloide chamado "teobromina". A teobromina do chocolate não é um problema para os humanos, mas para o hamster é um perigo, em grandes quantidades pode causar problemas digestivos, desidratação, excitabilidade e diminuição dos batimentos cardíacos.

Ração para coelho não pode?
      Dizem que a ração de coelho contém hormônios e por isso não pode dar para hamster, não sou especialista em coelhos mas pesquisei no Google e não consegui encontrar nenhuma informação sobre qual é esse tal de hormônio nas rações de coelhos. Pelo que eu entendi, a ração para coelhos de engorda, e a ração para coelhos de estimação, são rações diferentes e a ração para engorda que eu encontrei estava com a descrição em linguagem alienígena mas mesmo assim, verifiquei cada nome na lista de composição e não tinha o nome de nenhum hormônio. Não creio que a ração de coelho represente perigo mas também não creio que a alimentação de coelhos é adequada para os hamsters, são animais diferentes e devem ter a alimentação específica para cada espécie.

Carne crua, por que não pode?
      O motivo pelo qual não pode dar carne crua para os hamsters, é o mesmo motivo pelo qual os humanos normalmente não consomem carne crua, a carne crua desenvolve constantemente e rapidamente muitas bactérias essas bactérias algumas vezes produzem toxinas perigosas, e também ha o problema de transmissão de doenças e parasitas, então, carne crua não pode.

Ovo cru, por que não pode?
     A clara do ovo crú contém uma proteína chamada "avidina", que trabalha na desintegração da biotina e isso causa deficiência de biotina. Os sintomas são, diarreia, dermatite e conjuntivite. O ovo cozido não tem problema porque a avidina se quebra com o calor. Há quem diga que mesmo o ovo cozido é perigoso para o hamster, não sei se essa informação confere mas uma vez dei ovo cozido para meus hamsters e dois deles desenvolveram conjuntivite, dês de então eu não dou mais ovo cozido para meus hamsters.

Frituras em geral, por que não pode?
      Frituras, além de conter muita gordura, quase sempre tem alho, pimenta, muito sal ou outros temperos que não fazem bem ao hamster.

Bebidas alcoólicas, por que não pode?
      O Álcool também, é uma droga, causa dependência e problemas nos órgãos, em altas quantidades causa intoxicação grave podendo levar ao coma e a morte, isso também vale para os hamsters e como já citei várias vezes, o hamster é muito mais sensível a toxinas devido ao seu tamanho.

Sementes de maçã, qual o perigo?
      As sementes de maçã e também a polpa da "maçã imatura", contém uma espécie de glicose chamada "amygdalina" junto com uma enzima chamada "emulsina", individualmente essas moléculas não fazem nada mas as duas, juntas, produzem cianeto de hidrogênio que é um veneno muito perigoso. As amêndoas também são perigosas pelo mesmo motivo.


Ração para Hamster:

      A ração para hamster é um mix de cereais, proteínas, vitaminas e minerais, são utilizados cereais com baixo teor de gordura, como o arroz, o trigo ou o milho, esse mix é compactado formando pequenas pastilhas razoavelmente duras para que o hamster possa desgastar seus dentes ao mesmo tempo que se alimenta, essa ração é chamada de ração peletizada, pellet significa pastilha. Essas pastilhas compactadas contém o essencial para os hamsters, mas também é bom dar pequenas quantidades de verduras, legumes e proteínas.

Pastilhas da Ração para Hamster

      Mas no Brasil, nem sempre encontramos rações especialmente desenvolvidas para hamster, quando se fala em ração para hamster normalmente nos referimos a aquele misto de cereais com ração que encontramos nas pet shops.


      Não deixa de ser ração para hamster mas é preciso tomar alguns cuidados, muitas vezes o misto é desenvolvido para diversos tipos de roedores (coelho, chinchila, gerbilos e hamsters) e nem sempre é a mistura mais adequada para o hamster. 
      Eu pessoalmente não recomento de maneira alguma a comprar mistos ou rações que supostamente servem para qualquer tipo de roedor, a alimentação do coelho, da chinchila e do hamster definitivamente não é a mesma coisa e portanto, se na embalagem está escrito que serve para coelho, chinchila e hamster eu posso supor que foi desenvolvida sem nenhum conhecimento sobre o assunto, ou que não é completa em sua composição.

      No Brasil é difícil encontrar rações ou mistos desenvolvidos especialmente para os hamsters  então se desconsiderarmos aqueles que supostamente serve para qualquer tipo de roedor, não nos restam muitas opções então, é preciso fazer uma análise do produto, para isso, é necessário alguns conhecimentos básicos sobre a alimentação do hamster.

      O misto para hamster, não deve conter altas quantidades de gordura, o misto deve ser composto basicamente de ração, cereais não muito gordurosos algumas frutas ou verduras desidratadas e algumas rações de proteína. Quando tem cereais gordurosos em excesso e rações gordurosas é a prova de que não é um misto adequado para o hamster. Pode ter sementes de girassol, amendoim, soja, castanha, mas esses cereais gordurosos não devem compor a maior parte do misto.


quinta-feira, 7 de maio de 2015

Pode dar Milho para Hamster?

      Já faz algum tempo que algumas pessoas na internet vem dizendo que "não pode dar milho para hamsters".
      O argumento é que o milho causa tumores nos hamsters e tem estudos que comprovam isso, e por isso o milho deve ser totalmente excluído da dieta dos hamsters.
      Mas será que isso é verdade? Se for verdade, então por que é que o milho não está proibido? Qual é esse tal de estudo que prova que o milho causa tumores nos hamsters?

O Caso Séralini


      No dia 19 de setembro de 2012 um estudo que supostamente provaria que o milho transgênico é cancerígeno foi publicado na revista "Food and Chemical Toxicology", o estudo conduzido pelo biólogo molecular francês Gilles-Eric Séralini foi amplamente divulgado pelas mídias do mundo inteiro inclusive no Brasil.
      O estudo relatava o desenvolvimento de tumores em ratos que teriam sido alimentados com o milho transgênico NK603 da empresa norte americana Monsanto e também foram divulgadas várias fotos de ratos com tumores enormes que teriam sido causados pela alimentação contento milho transgênico da empresa Monsanto.

Imagem divulgada apresentando os ratos com tumores:

      Pois bem, esse estudo foi rejeitado pelas autoridades europeias, foi rejeitado pela comunidade científica no mundo inteiro e é claro, as autoridades brasileiras bem como a comunidade científica no Brasil também desconsideram a validade deste estudo.

      O estudo foi muito criticado por cientistas do mundo inteiro por muitos motivos, para começo de história, Séralini teria utilizado ratos geneticamente propensos ao desenvolvimento de tumores, o que significa que os ratos desenvolveriam tumores independente do que fosse dado como alimento, ou seja, os tumores que se desenvolveram nos ratos, para começo de história não poderiam ser relacionado ao milho transgênico.

      Se eu for explicar isso de uma maneira bem pessoal, imagine que alguém pega uma vaca pintada e a alimenta com uma ração especial, e quando essa vaca procria e tem um bezerro pintado, então a pessoa diz que o bezerro é pintado porque a mãe foi alimentada com uma ração especial e não porque a progenitora é uma vaca pintada... É claro que isso seria um atentado contra a inteligência humana, e eu posso supor que os cientistas do mundo inteiro não gostaram muito da ideia de alguém cometendo um erro tão grosseiro como esse.

      Até a diferença percentual de desenvolvimento de tumores entre os grupos de ratos alimentados com milho transgênico e os que não foram alimentados com o mesmo, que supostamente seria a prova de que o milho transgênico seria cancerígeno, foi alvo de críticas, pois foi observado que Séralini não tinha conhecimento em calculo de probabilidade.

      Após a publicação do estudo, muitos cientistas começaram a apontar erros no estudo e depois de uma avaliação por especialistas no assunto, as autoridades europeias se pronunciaram rejeitando o estudo observando vários erros de condução no estudo.
A Sociedade Europeia de Patologia Toxicológica emitiu uma carta que pode ser verificada no link abaixo.

Fonte: http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0278691512005637

      Na carta, estão apontados vários motivos para a rejeição do estudo entre os quais foi observado que Séralini não tinha conhecimento para conduzir um estudo deste tipo, não tinha conhecimento sobre patologias e não recolheu os dados considerados necessários para um estudo deste tipo
     Resumindo: Séralini era praticamente um leigo tentando conduzir um estudo científico.

      No final a própria revista que publicou o artigo teve que revogar o artigo depois de uma minuciosa avaliação pelos especialistas da própria revista, a retratação era de que o estudo realmente não poderia ser considerado conclusivo.
      Esse caso ficou conhecido como “O Caso Séralini” e pelo menos no meio acadêmico, todo mundo sabe que foi um alarme falso.
      Então “NÃO”, até o presente momento não existe nenhum estudo que prova que o milho transgênico é cancerígeno
      E para finalizar Séralini é conhecido por ser um "ativista anti-transgênicos", não que isso prove que ele tenha manipulado o estudo sobre o milho transgênico, mas sobre esse caso, eu me pergunto se ele realmente não sabia como conduzir um estudo científico...
Conclusão:
      “NÃO”. O ano é 2017 e até o presente momento não existe nenhum estudo que prove que o milho transgênico é cancerígeno.

Fungos e Micotoxinas Cancerígenas no Milho


      O milho está sujeito à ação de fungos e o fungo mais perigoso que pode contaminar o milho é o Aspergillus flavus, esse fungo produz uma substância chamada aflatoxina, que é uma toxina muito perigosa e conhecida por ser cancerígena podendo levar o animal ao óbito em caso de ingestão.

Espigas de milho com fungos:

      É verdade que os fungos são um perigo no milho, porém é importante deixar claro que o problema é o fungo e não o milho.

      "As aflatoxinas não são produzidas sem o desenvolvimento dos fungos", isso deve ficar bem claro. Então o milho que não está com fungos “pode sim” ser dado como alimento para os hamsters sem problema nenhum.

      Algumas pessoas dizem que é preciso eliminar completamente o milho da dieta dos hamsters porque todo o milho tem fungos, mas é lógico que isso não é verdade, pois se todo milho estivesse contaminado por fungos, para começo de história não poderia nem dar ração extrusada para os hamsters, afinal a própria ração extrusada na maioria das vezes contém milho em sua composição, então para mim não faz muito sentido a pessoa dizer para tirar o milho dos mix de sementes ao mesmo tempo em que a mesma pessoa indica uma ração extrusada feita de milho para você dar ao seu hamster.

      Então é preciso deixar claro, “NÃO” não é todo milho que está contaminado por fungos.
      
      É verdade que existem empresas que fornecem mix de sementes de péssima qualidade, e quando o produto é claramente de péssima qualidade, se você observar que o milho está com manchas escuras, sem dúvidas você deve sim retirar o milho do mix de sementes, é óbvio que você não pode dar alimento estragado para o seu animal de estimação, mas isso vale para qualquer alimento.

      Os especialistas virtuais em hamsters costumam passar a impressão de que se você retirar o milho e o amendoim do mix de sementes o problema está resolvido, mas isso não vai garantir a segurança do produto mesmo porque “não é só o milho ou o amendoim que podem estar contaminados por aflatoxinas”.

      O trigo, o arroz, frutas secas, a soja e outros cereais ou até a própria ração extrusada também podem muito bem estar contaminados por aflatoxinas, então quando alguém diz para retirar o milho e o amendoim e está tudo bem, eu sinto muito dizer, mas a pessoa não sabe do que está falando, pois as aflatoxinas não são de maneira nenhuma um problema exclusivo do milho ou do amendoim. 
      
      Após a divulgação do estudo de Séralini, muitas pessoas não estavam entendendo o porquê das coisas, e começaram a relacionar o estudo de Séralini com o fungo e passaram a dizer algo como: “existem estudos que provam que o milho causa câncer porque é tudo fungado”.

      Isso não é verdade, mesmo por que se fosse verdade todas as civilizações humanas já estariam extintas, afinal, todo mundo consome uma coisa ou outra derivada do milho então se todo milho fosse contaminado por fungos, todos estariam com câncer e todos morreriam de câncer.
      Não se pode generalizar as coisas, é verdade sim que o milho pode sim ser contaminado por aflatoxinas, mas daí a dizer que todo milho está contaminado por fungos é um erro bem grosseiro.

      Então para concluir:
      "NÃO", não é preciso eliminar o milho da dieta dos hamsters, se você comprar um mix de sementes de boa qualidade, em que o milho esteja com boa aparência e que não apresente manchas escuras, então você "pode sim dar esse milho para o seu hamster", o milho é um alimento muito nutritivo e contém fibras, proteínas, vitaminas A, E, C, K, B1, B2, B3, B6, cálcio, magnésio, zinco e ferro.

Milho de boa qualidade:

      Mas se você comprar um mix de sementes que seja claramente de péssima qualidade e se você observar que o milho está estragado, então é lógico que você não pode dar esse alimento para o seu animal de estimação.

Observe os exemplos de milho contaminado por fungos:

 Milho contaminado por fungos:

Milho contaminado por fungos:

      O problema não é o milho, a questão é se o alimento está estragado ou não, o problema é a qualidade do produto que você está dando para o seu animal de estimação. Não adianta você tirar o milho e o amendoim incondicionalmente e achar que está tudo certo porque não é só o milho e o amendoim que desenvolvem fungos que produzem aflatoxinas, como eu disse, até a própria ração extrusada pode muito bem estar contaminada por aflatoxinas.
      O que você precisa fazer é observar a qualidade do produto e se observar que a qualidade é péssima, você não deve dar esse alimento para o seu animal de estimação, é simples assim.

Atualizado em 27/08/2017